Creme de cenoura e a importância de comermos sentados

Os primeiros dias de Janeiro deste ano têm sido muito frios. O frio é fundamental nesta altura do ano, mesmo que não seja particularmente querido pela maioria das pessoas. Eu ando feliz com o frio e com a certeza de que após este frio a natureza vai despertar de forma vigorosa na Primavera.

O frio faz com que me apeteça muitas vezes sopa, incluindo fora das refeições. Eu gosto de sopas que sozinhas quase fazem uma refeição, ricas em cereais, leguminosas e hortaliças, mas para comer a um lanche gosto de um creme.

Hoje, junto com a receita de um creme de cenoura que se faz em 30′, não podia deixar de falar da importância de comer sentado, mesmo um lanche. Todos sentimos que uma refeição nos traz mais equilibrio. Quantas vezes já experimentamos a sensação de sossego interno e re-equilibrio a seguir a uma pausa para comer?

Mas para que uma refeição seja particularmente nutritiva é necessário que nos sentemos enquanto comemos:

  • para adquirir uma maior consciência de que estou a comer e daquilo que estou a comer.
  • Para perceber quando estou cheio; comer de pé e/ou distraído interfere com esta percepção natural.
  • Porque quando comemos sentados temos mais capacidade de digerir, absorver e assimilar os alimentos, fazendo com que nos sintamos mais nutridos.
  • Para que a refeição nos traga o equilíbrio que procuramos nela.

Existem sopas salgadas (como a de miso, o caldo de shoyu, e alguns caldos de cereais/vegetais) e existem sopas doces (como os cremes de cenoura ou de abóbora). Cada uma tem a sua função:

  • os caldos salgados ajudam a estimular e a activar a digestão.
  • cremes de vegetais doces ajudam a relaxar o sistema digestivo, harmonizam e equilibram.

A receita de hoje tem esta função: relaxar. Ajuda mesmo a descontrair quando comida ao final do dia, principalmente se sentimos que o trabalho foi intenso e que até estamos mais contraídos por causa do frio.

Façam-na e experimentem a sensação. Para isso é necessário comer este creme como disse anteriormente: sentados e atentos ao corpo.

Só mais uma nota: comprem cenouras biológicas. Nesta raiz o ser biológico faz uma diferença brutal no sabor final da sopa. comprem em mercadinhos biológicos, em supermercados biológicos, no ALDI, …

Ingredientes

  • Cenouras: 400g
  • Cebolas: 200g
  • Nabo: 50-60g
  • Millet: 1 colher de sopa
  • Sal marinho integral: q.b.
  • Azeite virgem extra: 2 colher de sopa
  • Ervas frescas para servir (cebolinho, coentros, salsa, agrião, …)

Preparação

  • Lave e corte todos os vegetais em pedaços de cerca de 2 cm por 2 cm (pequenos mas não em demasia)
  • Lave o millet.
  • Coloque todos os vegetais e o millet numa panela e cubra de água.
  • Leve ao lume, e quando ferver baixe e deixe cozer tapado durante cerca de 20 minutos.
  • Verifique se as cenouras já estão tenras e, caso estejam, acrescente o azeite, tempere com sal e triture até obter um creme aveludado. Caso as cenouras precisem de mais um pouco de tempo para ficarem tenras, deixe estar mais um pouco e proceda da mesma forma.
  • Sirva com uma erva fresca e coma sentado, sem pressa.
  • Nota: para mim esta sopa faz uma excelente refeição intermédia, quando tenho fome e ainda não são horas de jantar.

Creme de feijão frade com brócolos salteados

Nesta altura do ano adoro comer sopa. É mesmo um alimento de conforto indispensável.

No entanto, a sopa leva vegetais muito cozinhados, que têm menos vitaminas, e é bom misturar, no momento de servir, uns vegetais crus que cozem só com o calor da sopa (agrião, folhas de espinafre tenras, rúcula, canónigos, …) ou vegetais salteados ou cozidos no vapor no momentos (lombado em juliana, brócolos, couve de caldo verde).

O feijão que produziu mais este ano por aqui foi o feijão-frade 🙂 Por isso tenho-o usado de várias formas.

E como na Mil Grãos partilhamos aquilo que comemos e sai sempre bem, aqui vai a sugestão da sopa de hoje.

Ingredientes (para 6 pessoas):

  • Feijão frade cozido: 1 taça de 250ml
  • Cebolas: 3 médias (cerca de 300g)
  • Cenouras: 4 médias (cerca de 400g)
  • Nabo: 1 pequeno (60g sem casca)
  • Batata doce: 1 (100g)
  • Água de cozer o feijão frade: q.b.
  • Sal marinho integral: a gosto
  • Azeite (opcional): 2 colheres de sopa

Preparação

  • Arranje todos vegetais, descasque e parta em pedaço pequenos.
  • Salteie-os em duas colheres de sopa de azeite (opcional) e depois acrescente o feijão frade já cozido e água suficiente para cobrir (se não tiver água de cozer que chegue, junte água simples).
  • Deixe começar a ferver, reduza o lume e mantenha tapado por cerca de 25 minutos.
  • Desligue, reduza a puré e sirva quentinha com os brócolos salteados (veja a receita dos brócolos salteados no final).

Há imensas vantagens em comer brócolos, como podem ler aqui:

Brócolos Salteados (e como aproveitar todos os benefícios deste alimento)

 

Está aberta a Época da Gripe (e Sopa de Miso)

Esta semana começou a ser distribuída a vacina contra a gripe. Entrámos na Época da Gripe e a qualquer momento o vírus poderá começar a alastrar havendo indicadores que nos informam sobre os picos máximos desta época e que vão lançando alertas de tal forma assustadores que até sentimos os sintomas quando ouvimos as notícias.

Este ano a Gripe chegou vestida de mulher e chama-se Dona Gripe, é assim que as farmácias a apresentam, vestida de “bruxa” com ar mais ou menos assustador.

Época da Gripe significa que temos ordem para começar a pingar do nariz, a ter dores de garganta e até podemos chegar a ter febre, o corpo dorido e outros problemas piores.

Antes de começarem com os primeiros sintomas, em vez de verificarem se têm paracetamol, vitamina C, etc., convido-vos a abrirem os armários da despensa e o frigorífico.

Ao contrário do que possa pensar, os indicadores da probabilidade de o seu sistema imunitário não resistir à Época da Gripe, não estão nas estatísticas dos picos de atividade do vírus, mas sim na sua despensa, nos hábitos de vida e nas sua forma de pensar.

Se por acaso tiver em casa:

  • produtos lácteos (apesar de sem lactose ou ainda mais esses mesmos);
  • açúcar;
  • farinhas (bolachas e todos os artigos de panificação industrial);
  • frutas tropicais ou fora da época;
  • gelados;
  • bebidas frescas e açucaradas;
  • comida industrializada (no geral).

E para além disso:

  • estiver sempre em ambientes climatizados artificialmente;
  • não tiver atividade física com regularidade e intensidade;
  • tiver hábitos de sono irregulares;
  • não ouvir (e atender!) as necessidades de descanso do seu corpo;
  • comer demasiado;
  • estiver sempre a “debicar” e a não dar descanso ao sistema digestivo;
  • misturar muitos alimentos numa única refeição.

… é natural que a Dona Gripe queira fazer uma visita a sua casa.

Infelizmente, ao aceitarmos socialmente que há uma Época de Gripe, que há uma Dona Gripe à espreita para nos atacar, estamos a dar oportunidade que essa crença se instale e o nosso corpo reaja segundo aquilo que estamos à espera.

Esteja atento ao seu corpo. Se por acaso se sentir debilitado:

  • descanse mais;
  • respire ar puro;
  • cozinhe a sua comida;
  • coma comida simples e nutritiva (caldos, sopas, vegetais escaldados e cereais integrais, …);
  • faça alongamentos e exercícios terapêuticos;
  • faça auto-massagem com regularidade;
  • esfregue o corpo com uma toalha húmida e quente e de seguida agasalhe-se;
  • faça um escalda pés antes de dormir;
  • beba líquidos quentes e evite as bebidas frias.

Pode também aproveitar para fazer um caldo onde acrescenta um pouco de um condimento que tem o nome de Miso(1), uma pasta salgada obtida a partir da fermentação do feijão de soja com ou sem um cereal (cevada, arroz). Como é um alimento fermentado, vai ajudar os seus intestinos a estarem saudáveis e isto é essencial para que o seu sistema imunitário também esteja.

Lamento avisar que comer este caldo sem ter atenção a tudo o resto é completamente ineficaz.

A receita está a seguir.

Sopa de Miso (básica)

Ingredientes:

  • Cebola: 1 média
  • Abóbora hokkaido ou butternut: 1 chávena de chá
  • Alga wakamé: 1 colher de sobremesa de flocos ou uma tira de 3 cm
  • Miso de cevada – 1 c. sobremesa por taça (de 250ml)
  • Raiz gengibre fresca (opcional): 2-3 cm
  • Cebolinho ou outra erva aromática para servir

Preparação:

  • Coloque de molho a alga, cobrindo-a de água durante cerca de 10 minutos. Corte-a em pedaços pequenos ao fim desse tempo e reserve.
  • Descasque a cebola e a abóbora e parta-as em cubos pequenos.
  • Coloque 4 taças de sopa de água numa panela (cerca de 1 l) e junte a abóbora e cebola.
  •  Deixe cozinhar até ferver, diminua o lume e aguarde 10 minutos.
  • Adicione alga wakamé e deixe ficar mais 5 minutos em lume brando.
  • Coloque de seguida um pouco do caldo da sopa numa taça e adicione o miso (coloque 4 colheres de sobremesa rasas); dissolva-o na totalidade, mexendo suavemente.
  • Acrescente de seguida essa mistura de caldo com o miso à sopa que deve estar com o lume no mínimo.
  • Aguarde um minuto apague o lume (é muito importante não deixar o miso entrar em ebulição).
  • Se gostar, rale o gengibre no ralador fino, e esprema a polpa (para obter o sumo) para dentro da panela, assim que desligar o lume.
  • Sirva com uma erva aromática. A minha preferida é o cebolinho, mas fica bem com coentros, salsa e até hortelã.
  • Coma esta sopa bem quentinha e aprecie a sensação de conforto única que proporciona.

(1) O Miso vende-se em lojas de produtos biológicos e de comida Japonesa. Aconselho o Miso de Cevada para preparação desta sopa.

Creme Doce de Lentilhas Laranja

Todos temos sopas preferidas. Eu adoro Sopa de Miso, Canjinha de Millet e este Creme Doce de Lentilhas Laranja.

Sei que aprendi a fazer esta sopa no Instituto Macrobiótico de Portugal (1), já a comi várias vezes lá, e que esta receita está em alguns livros de cozinha macrobiótica (com um ou outro pormenor diferente, mas sempre com a mesma base).

Parece demasiado simples, mas acreditem que a simplicidade não é inimiga nem de sabor, nem de capacidade de nos sentirmos reconfortados e nutridos. Pelo contrário! O excesso de ingredientes torna muitas vezes difícil o processo digestivo e dificulta também a absorção de nutrientes pelo nosso corpo.

Esta receita leva lentilhas descascadas  (há quem lhes chame vermelhas ou coral). Normalmente são cor de laranja como as da imagem, mas também há amarelas. Nesta receita as laranja e as amarelas têm o mesmo efeito.

A sopa leva também legumes doces, que são benéficos para o nosso equilibrio emocional, dando a doçura extra que o estômago/baço/pâncreas necessitam.

Acreditem que tudo o que comemos conta (como diz a Geninha Varatojo) e se acreditarem conta ainda mais.

Creme Doce de Lentilhas Laranja

Ingredientes:

  • Cenoura: 2 (médias)
  • Abóbora Hokkaido (ou Cabacinha/Butternut): 2 fatias
  • Cebola: 2 (médias)
  • Lentilhas laranja (lentilhas sem casca): 1 chávena de chá
  • Azeite: 1 colher de sopa
  • Sal: a gosto
  • Cebolinho, coentros ou outra erva aromática a gosto

Preparação:

  • Lave, descasque e corte os legumes em pedaços pequenos e regulares. O volume destes ingredientes deve ser mais ou menos idêntico.
  • Coloque os legumes na panela, junte as lentilhas laranja, cubra com água.
  • Leve ao lume e depois de levantar fervura, baixe para o mínimo e deixe cozer 20-25 minutos.
  • Tempere com sal e um fio de azeite, e reduza a puré. Rectifique a água e o sal.
  • Sirva salpicado com cebolinho ou coentros (ou pode acrescentar nabiça, agrião, alho francês… envolver e servir).

Nota: esta receita adapta-se perfeitamente aos robots de cozinha (Bimby ou outro).

(1) https://www.institutomacrobiotico.com/

Creme de Ervilhas

Estamos na Primavera e a minha horta está cheia de vida. Foram as favas e agora estão as ervilhas a pedir-me que faça muitos pratos deliciosos com elas.

Comer de acordo com a estação é o melhor que podemos fazer pela nossa saúde. A nossa alimentação deve ser local, sazonal, biológica. Bastam estes cuidados para sentirmos uma enorme diferença na nossa vida.

A receita é simples, como todas as receitas de sexta-feira, mas tem um sabor incrível. Vejam se conseguem ervilhas frescas, mas se não conseguirem podem usar congeladas, claro.

Hoje temos uma video-receita 🙂 Sigam o canal Youtube da Mil Grãos.

Ingredientes:

  • ervilhas: 1 taça
  • nabo: 1
  • cebolas: 3
  • courgette: 1
  • alho: 1 dente
  • sal q.b.
  • azeite: 2 colheres de sopa

Amor: muito

Preparação:

Lave e corte todos os vegetais em pedaços médios. Leve a cozer numa panela, cobertos de água, cerca de 25 minutos. Verifique se os vegetais estão tenros e desligue. Junte o sal e o alho picado e triture com a varinha mágica. Prove e rectifique o sal. Sirva com folhas de hortelã ou uns pingos de natas vegetais.

Sopa vermelha com manjericão

Sexta-feira rima com receita da Mil Grãos 
Estamos a caminha do Verão, e começa a apetecer comida colorida e mais fresca.
Quem está ligado à macrobiótica de certeza que conhece esta maravilha. Eu diria que é uma das minhas sopas preferidas. Leva beterraba e tem uma cor maravilhosa. Experimentem, não se vão arrepender! 

Sopa vermelha com manjericão
Ingredientes:
5 beterrabas médias
2 cebolas
2 courgettes pequenas
2 cenouras
Sal marinho integral q.b.
1 colher de sopa de azeite
Vinagre de ameixa (opcional)
Folhas de manjericão e natas de aveia para servir (opcional)
Preparação:
– Lave e descasque todos os legumes.
– Corte as cenouras e as beterrabas em pedaços pequenos e os restantes legumes em pedaços um pouco maiores.
– Leve tudo a cozer numa panela, coberto de água. Não adicionar demasiada água, uma vez que a liquidez da sopa pode ser ajustada a gosto no final. Coza cerca de 30 minutos em lume brando com a panela tapada.
– Verifique se os legumes estão tenros com a ajuda de um garfo. Se estiverem cozidos, desligue.
– Tempere com sal e azeite (pode também acrescentar um dente de alho ralado no momento) e triture com a varinha mágica até obter um creme macio. Verifique o sal e, se for necessário, acrescente umas gotas de vinagre de ameixa ou mais um pouco de sal.
– Sirva quente ou frio com folhas de manjericão ou folhas de hortelã. Uma colher de sopa de natas de aveia também dão um toque especial a esta sopa.
Nota: na foto a sopa foi servida com sementes de cânhamo, natas de aveia e manjericão