Amêndoas caramelizadas com geleia de arroz

A receita de hoje tem também um video de 1′ no youtube

Publiquei-a o nao passado no Facebook por altura da Páscoa, mas para que ela não se perca decidi voltar a publicar no Blog. Assim é mais fácil de encontrar.

Para verem como é fácil:)

Esta é uma alternativa muito mais saborosa e saudável do que as amêndoas cheias de açúcar e chocolate que se vendem por aí na Páscoa. Experimentem!
Ficam muito melhores do que as de compra 🙂

Amêndoas Caramelizadas

Ingredientes:

  • Amêndoas: 1 taça
  • Geleia ou Malte/geleia de arroz: 2 colheres de sopa
  • Canela ou cacau a gosto

Preparação:

  • Coloque as amêndoas numa taça, junte a geleia de arroz e envolva.
  • Deite-as num tabuleiro forrado com papel vegetal, polvilhe com canela ou cacau, caso queira, e leve ao forno a 140ºC por 15 minutos ou até ficarem douradinhas.

Notas: Vigie sempre o forno, a geleia tem que “ferver”, para que as amêndoas fiquem sequinhas, depois d e arrefecerem, mas os frutos secos não devem queimar.
As da imagem foram feitas com canela e estavam DE-LI-CI-O-SAS

Pudim de laranja (vegan e sem açúcar)

Fiz este pudim para um Workshop, mas apenas para acompanhar uns queijinhos de figo de amêndoa do Algarve. Não o ensinei no WS porque o meu objetivo foi fazer uma sobremesa típica portuguesa, e este pudim leva um espessante conhecido por agar-agar, que não é tipicamente da nossa cozinha tradicional. Mas prometi partilhar a receita, e aqui está ela.

Pudim de laranja com um queijinho de figo e amêndoa do Algarve

Utilizei casca de laranja seca e triturada até fazer farinha, mas podem utilizar raspa de laranja normal (como vem descrito na receita).

Entretanto, descobri que se consegue fazer o caramelo para forrar a forma de pudim com geleia de arroz. Faz-se da mesma forma como se faz o caramelo de açúcar. Coloca-se na forma a geleia a gosto e deixa-se ferver até fazer espuma e essa espuma começar a ficar acastanhada. Forra-se a forma e deixa-se arrefecer. O método é exactamente igual a caramelo com açúcar.

Para o pudim não ficar com a textura de gelatina, diminui a quantidade de agar agar e aumentei a de amido de milho.

Pudim de laranja

Ingredientes

  • Bebida vegetal de arroz ou aveia (usei da Lima, aromatizada com baunilha): 1 litro
  • Agar agar em pó: 1 e 1/2 colheres de sopa
  • Amido de milho: 5 colheres de sopa
  • Raspa de laranja a gosto
  • Geleia de arroz: 5 colheres de sopa (ou a gosto)
  • Para o caramelo: geleia de arroz a gosto

Preparação

  • Faça o caramelo com a geleia de arroz, colocando-a dentro de uma forma de pudim de inox, levando ao lume e mexendo sempre até a geleia ganhar espuma e essa espuma começar a ficar castanha dourada. Desligue e forre a forma por completo. Deixe arrefecer (o caramelo vai ficar rijo e cobrir toda a forma).
  • Junte os primeiros 3 ingredientes num tacho e leve ao lume mexendo sempre.
  • Quando começar a ferver e surgir na superfície uma “espuma” leve e esbranquiçada, junte a geleia de arroz e deixe que volte a ferver, 1 ou 2 minutos.
  • Junte a raspa de laranja (tenha o cuidado de não raspar nada da parte branca, que é amarga) e mexa até incorporar bem (eu gosto de colocar bastante raspa neste pudim).
  • Deite a mistura na forma de pudim, anteriormente forrada com o caramelo de geleia, e deixe arrefecer.
  • Coloque no frigorífico e, de preferência no dia seguinte, desenforme e sirva com a calda que se formou.

Bolo de canela com cobertura de “ovos moles” vegan e sem açúcar

No dia 23 de Janeiro entrámos em período de festas de aniversário. Entre pais e filhos, 5 das 6 pessoas desta casa fazem anos entre 23 de Janeiro e 29 de Março. Só de 29 de Fevereiro (sim, 29) a 29 de Março fazem 4 destas pessoas. A sexta pessoa faz no início de Maio. Até sentimos alívio quando terminam estas festas seguidas, tal como se sente alívio depois do Natal e do Ano Novo:)

Em Janeiro publiquei no Instagram uma fotografia do bolo do primeiro aniversariante. E pediram-me a receita. Prometi que a publicava e hoje cá está ela.

A base deste bolo é muito simples, faz-se com os substitutos normais de ovo e açúcar, e adaptei-a de uma do Marco Fonseca, feita no Instituto Macrobiótico de Portugal.

O recheio e cobertura são conseguidos à custa de abóbora. Quem já veio aos Workshops da Mil Grãos sabe que substituo muitas vezes o doce de ovos por este recheio e que é mesmo, mesmo bom.

As nozes foram caramelizadas primeiro: coloquei numa taça nozes e misturei com geleia de arroz. Depois espalhei-as num tabuleiro forrado com papel vegetal, e levei ao forno a 130ºC até dourarem (a geleia ferve e faz “espuma”, e isso é normal).

Bolo de Canela

Ingredientes secos:

  • Farinha de trigo T55 ou de espelta: 260g
  • Farinha de araruta ou amido de milho: 15g
  • Fermento para bolos: 1 saqueta ou 8g
  • Bicarbonato de sódio: 1 colher de café
  • Canela: 1 c. de sopa rasa

Ingredientes húmidos:

  • Geleia de arroz: 150g
  • Bebida vegetal de arroz: 170g
  • Tâmaras descaroçadas: 50g
  • Óleo de girassol desodorizado: 150g
  • Farinha de linhaça: 1 colher de sopa
  • Sal: pitada
  • Limão: raspa de meio (ou a gosto)
  • Sumo de limão: 1 colher de sopa
  • Sumo de maçã: 50ml

Preparação:

  • Pré-aqueça o forno a 200ºC.
  • Forre uma forma com papel vegetal ou pincele-a com óleo vegetal e polvilhe com farinha.
  • Numa taça junte todos os ingredientes secos e envolva bem.
  • Noutra taça junte todos os ingredientes identificados como húmidos e bata com a varinha mágica até obter uma mistura cremosa e borbulhante. Também pode fazer isto num processador de alimentos ou bimby.
  • Junte os ingredientes húmidos aos ingredientes secos e envolva, sem bater.
  • Coloque a mistura numa forma, baixe a temperatura do forno para 180ºC e coloque o bolo no forno.
  • Ao fim de 30′ verifique se está cozido com um palito. Se estiver retire e deixe arrefecer numa grelha. Se não estiver cozido, deixe ficar mais um pouco de tempo.

Cobertura de abóbora

(Foi feita a olho, já com o bolo frio)

Coloquei abóbora descascada num tacho, com uma película de água no fundo, pitada de sal e pau de canela. Deixei cozer. Retirei o pau de canela e a água em excesso. Juntei raspa de limão e triturei.

Juntei 3 colheres de sopa de geleia de arroz (pode ser mais ou menos, conforme o gosto) e duas colheres de farinha de araruta e uma de chá de agar-agar dissolvidas num pouco da bebida de arroz. Levei de novo a ferver.

Ainda com a cobertura morna (para não solidificar) recheei e cobri o bolo.

Decorei no final com as nozes.

Bolachas de Amêndoa e Gengibre (vegan)

Na Mil Grãos já cheira a Natal:)

E quando se aproxima o Natal o tema “prendas” faz-se presente no nosso espírito. Queremos mimar as pessoas que amamos e que estiveram mais presentes na nossa vida no ano que está quase a terminar.

As melhores prendas são aquelas que são feitas por nós tendo a mente e o coração cheio da pessoa a quem as vamos oferecer.

E a receita de hoje é a pensar em todos aqueles que gostariam de oferecer umas bolachas com especiarias tão próprias desta altura, a amigos especiais.

Podem adaptar a receita para crianças pequenas, diminuindo ou retirando na totalidade as especiarias.

Depois de feitas, basta colocar em frascos de vidro, com uma etiqueta bonita e um lacinho. Imagino a cara dos vossos amigos e familiares ao receber um frasco com estas bolachas.

Esta receita leva, opcionalmente, uma colher de sopa de melaço de cana integral. Este ajuda a que as bolachas fiquem com o sabor característico. O melaço não é um alimento para consumir frequentemente. No entanto, face aos alimentos feitos a partir da cana de açúcar é o mais ricos em minerais, nomeadamente ferro, magnésio, cálcio, e vitaminas do grupo B.

Ingredientes secos:

  • 2 chávenas de farinha de espelta ou de trigo
  • 1/2 chavena de amêndoa ralada finamente
  • 5 g de fermento para bolos
  • 1 colher de café de baunilha em pó
  • 2 colheres de café de gengibre em pó
  • 1 colher de café de canela em pó
  • 1 colher de café de cardamomo em pó (opcional)
  • Pitada de cravinho moído (opcional)

Ingredientes líquidos:

  • ½ chávena de óleo de grainha de uva ou de girassol (desodorizado)
  • 2 colheres de sopa de pasta/manteiga de amêndoa
  • ¾ chávena de malte de cevada
  • 1 colher de sopa de melaço de cana integral (opcional)
  • ¼ chávena de bebida de arroz (esta serve para ajustar a consistência, pode não ser necessário acrescentar nenhum leite)

Preparação:

  • Pré-aqueça o forno a 180oC.
  • Junte todos os ingredientes secos e faça uma mistura homogénea.
  • Junte o óleo e os restantes ingredientes, guardando a bebida de arroz para o final, caso seja necessária. Pretende-se que a massa fique moldável.
  • Estenda a massa com a ajuda do rolo da massa, de forma a ficar com uma espessura de ½ cm.
  • Corte com formas ou em bolachinhas quadradas com a ajuda de um corta-pizza.
  • Coloque num tabuleiro forrado com papel vegetal e leve ao forno a 170oC até dourarem (10-15 minutos).
  • Deixe arrefecer antes de guardar numa caixa de vidro hermética.

Doce de cacau e bolacha (vegan e sem açúcar)

Hoje a receita é de doce. Este doce está no livro da Geninha Varatojo, “Tudo o que comemos conta”, que é um dos meus livros de culinária preferidos.

Fiz um video de 1 minuto para verem como é fácil:

Doce de cacau e bolacha

Ingredientes:

  • Leite de arroz e cacau (ou leite de arroz e 3 colheres de sopa de cacau): 1 l
  • Farinha de araruta (ou amido de milho): 3 c. sopa
  • Agar-agar em pó: 1 ½ c. de sopa
  • Geleia de arroz: 6 c. de sopa
  • Chocolate 100%: 80g
  • Pasta/manteiga de amêndoa: 1 c. de sopa
  • Sal: pitada
  • Canela: 1 colher de café
  • Bolachas sem açúcar: a gosto
  • Baunilha (opcional): 1 c. de café

Preparação:

  • Junte num tacho o leite a farinha de araruta (pode ser amido de milho), o agar-agar, a canela, a pasta de amêndoa o sal e a baunilha. Envolva tudo.
  • Leve ao lume, mexendo sempre, até levantar fervura, mexa por mais 2 minutos.
  • Junte o chocolate e a geleia de arroz, deixe que volte a ferver.
  • Coloque num tabuleiro de vidro (pirex) uma camada de bolacha, uma do preparado de chocolate e repita a operação até já não restar nenhum líquido.
  • Deixe arrefecer e leve ao frigorífico 2h antes de servir.
  • Sirva polvilhado de canela ou raspas de chocolate.

Gelado de Dióspiro (Caqui)

Esta altura do ano (Final de Verão/Outono) é abençoada em alimentos que eu adoro. As frutas têm a cor (amarelo e laranja) e formatos (recondos) adaptados àquilo que a estação pede, os vegetais também, e é tão fácil fazer pratos saborosos e doces, sem qualquer adição de açúcar ou outro adoçante.

Nesta altura do ano não se comem gelados, mas sim alimentos quentes e cozinhados, que estão muito mais adaptados às necessidades que o meu corpo no final de Verão e início do Outono.

Então porque é que publico um gelado agora? Porque é agora que em minha casa há abundância de dióspiros (caquis). As árvores enchem-se de dióspiros que amadurecem em simultâneo, os meus vizinhos dão-me às caixas, o quintal do meu sogro também produz em abundância.

O que é que eu faço? Para além de comer e dar grande parte da produção, congelo a polpa de muitos dióspiros em caixas individuais. Quando vem o calor faço este gelado que leva apenas 2 ingredientes, e que é tão doce, mas tão doce que satisfaz até o paladar mais guloso.

Publico agora a receita, porque só agora é que têm oportunidade de congelar esta fruta maravilhosamente doce e saborosa.

Ingredientes:

  • 450 ml de polpa de dióspiro (caqui)
  • 50 ml de sumo de laranja (opcional)

Preparação:

  • Bater tudo com varinha mágica (ou processador de alimentos, ou robot de cozinha)
  • Servir de imediato em tacinhas individuais (na fotografia coloquei um topping de morangos desidratados).

Vejam o video no canal YouTube da Mil Grãos:

 

 

 

Doce de abóbora Hokkaido e pera

Este doce de abóbora e pera é mesmo a melhor opção para quem precisa de um doce adicional no creme de cereais da manhã ou quer comer uma sobremesa super-saudável. Não leva nenhum adoçante, nem geleia de arroz, e quem conhece sabe que chega a ser “demasiado doce”.

Aprendi a fazer este doce no Instituto Macrobiótico de Portugal e nunca mais deixei de o fazer. Ensino-o nos meus Workshops de Pequenos-Almoços e Snacks juntamente com mais alguns truques para acrescentar sabor aos alimentos nestas ocasiões.

(na imagem está um creme de millet com topping de doce de abóbora e pera, um pequeno almoço “dos Anjos”)

Eu uso este doce:

  • como topping numa sobremesa ou no creme de cereais
  • como sobremesa, sem mais nada a não ser com uma pitada de canela
  • como snack (transporto num copinho com tampa)

Para quem tem bebés é uma opção excelente, uma vez que só leva abóbora Hokkaido e pera.

Nem vos sei dizer o quanto adoro este final de Verão e início de Outono quando há abundância de peras e abóboras no meu quintal.

 

E aqui vai a receita, simples, simples, simples e surpreendentemente doce e saborosa.

Ingredientes:

  • abóbora hokaido descascada e cortada em pedaços médios: 1 taça
  • peras descascadas e cortadas em quartos: 1 taça
  • 1 pitada de sal (se for para um bebé retire este ingrediente, se não for mantenha porque realça o sabor doce)

Preparação

  • Arranje a abóbora Hokkaido e as peras conforme indicado: abóbora aos cubos e pera em quartos ou cubos. Estes ingredientes devem ser iguais em volume.
  • Coloque uma película de água num tacho e junte as peras e uma pitada de sal (opcional).
  • Leve a cozer em lume brando em tacho tapado durante 20 minutos, ou até ambos os ingredientes estarem tenros. Vigie também a quantidade de água, porque se o lume for forte pode evaporar e queimar. Se necessário acrescente um bocadinho de água, mas não muita.
  • Destape e verifique se ainda tem muito líquido. Se for o caso, destape e deixe ferver durante mais um pouco até o líquido evaporar.
  • Triture com a varinha mágica.
  • Sirva como sobremesa, topping de sobremesas ou bolos, papinha de bebé, snack, gulodice…

 

Maravilhoso cheesecake (sem queijo) de morango

Apesar de na Macrobiótica não existir nenhum alimento proibido, tento não utilizar muitos alimentos de origem tropical. Pontualmente, faço-o no Verão, mas em pouca quantidade.

Neste momento é fácil fazer sobremesas frescas (gelados e sorvetes) com leite de côco, cajus, abacates, banana, cacau… e claro que se podem fazer, mas do meu ponto de vista não são para consumir todos os dias. São mesmo para utilização pontual (uma festa) e se a nossa condição o permitir. Aliás todas as sobremesas serão para consumo pontual, mas há algumas mais adaptadas ao nosso clima e bastante mais amigas do nosso corpo. Este blog é de macrobiótica e vou tentar partilhar muito mais receitas adaptadas ao nosso clima e que sejam mais pacíficas de serem utilizadas por todos. E… sabem? Para ter uma sobremesa fresca e deliciosa, basta usar coisas que com facilidade encontramos no nosso clima.

A história desta sobremesa começou no Alfarroba Café em Albufeira. No final de Julho fui lá almoçar (comida boooaaaa!) e partilhei uma fatia de cheesecake de morango com o meu marido no final da refeição. Perguntei à Sandra (proprietária e cozinheira do Alfarroba Café) como é que tinha feito, porque estava à espera do cheesecake do Livro da Marta Varatojo, que faço de vez em quando, e aquele era bastante mais leve. A Sandra disse-me mais ou menos como fazia e eu, mal regressei a casa, resolvi pôr-me com experiências. O sucesso foi tal que já fiz este cheesecake 4 vezes desde esse dia, duas das quais para receber convidados. Está aprovadissíma. Não sei se é exactamente a receita da Sandra, mas esta funciona lindamente. Já agora: vale mesmo a pena irem conhecer o Alfarroba Café. É mesmo um restaurante com comida macrobiótica, sem taças de açaí ou crepes de tapioca, em que a preocupação pela saúde das pessoas e do planeta está em primeiro lugar.

Cheesecake (sem queijo) de morango

Ingredientes para a base

  • Bolachas biológicas sem açúcar (uso da Finestra): 200g
  • Amêndoas: 100g
  • Geleia de arroz: 2 colheres de sopa
  • Bebida vegetal (uso de arroz): q.b

Preparação da base

  • Num processador de alimentos ou picadora, triture as amêndoas até ficarem reduzidas a farinha.
  • Junte as bolachas e a geleia e volte a triturar.
  • Adicione duas colheres de sopa de bebida vegetal, e volte a triturar até a mistura ficar homogénea. Caso precise de mais um pouco de bebida, coloque mais uma ou duas colheres. Quando tiver uma pasta moldável, a base está pronta.
  • Forre, espalhando e pressionando com as mãos, o fundo de uma forma de tarte (28 cm) de fundo amovível com esta pasta e reserve (eu gosto de colocar uma película de papel vegetal na tarteira, mas não é fundamental).

Ingredientes para o cheesecake

  • Bebida de arroz (uso da marca The Bridge, que é feita com arroz italiano): 1l
  • Agar-agar em pó: 1 ½ colheres de sopa
  • Amido de milho (ou farinha de araruta): 4 colheres de sopa
  • Geleia de arroz: 4 colheres de sopa (ou mais para quem gosta de uma sobremesa bem doce)
  • Limão: raspa de meio

Preparação do cheesecake

  • Num tacho, misture a bebida de arroz com o amido de milho e o agar-agar em pó e leve ao lume mexendo para que não os espessantes não fiquem colados ao fundo.
  • Quando começar a ferver, vai começar a surgir uma película de espuma fininha à superfície, o que significa que o agar-agar já está totalmente emulsionado com a bebida. Deixe ferver mais 2 minutos.
  • Junte a geleia de arroz e deixe voltar a ferver.
  • Desligue, junte a raspa de limão e mexa mais um pouco.
  • Deite esta mistura com muito cuidado em cima da base que tinha reservado.
  • Deixe arrefecer completamente e coloque no frigorífico durante 2h antes de desenformar.

Ingredientes para o doce de morango (cobertura)

  • Morangos frescos (ou congelados): 500g
  • Geleia de arroz: 4 colheres de sopa (mais ou menos conforme o doce da fruta)
  • Amido de milho: 1 colher de sopa
  • Agar-agar: 1 colher de café

Preparação do doce de morango (cobertura)

  • Coloque uma película fina de água num tacho, coloque os morangos e leve ao lume.
  • Deixe ferver até os morangos largarem molho e começarem a murchar (cerca de 10 minutos)
  • À parte, dissolva num copo com um dedo de água no fundo, o amido de milho e o agar-agar.
  • Junte esta mistura ao tacho onde estão os morangos e deixe ferver mais um pouco.
  • Se gostar da cobertura lisa, triture e deixe arrefecer. Se gostar da mistura com morangos inteiros, deixe apenas arrefecer.
  • No momento de servir, desenforme o cheesecake, coloque num prato de servir e cubra com este doce. Se sobrar doce, coloque numa tacinha para cada pessoa colocar por cima da sua fatia, caso queira mais um pouco (vão querer).

Nota: já fiz com maracujá (neste momento tenho no meu quintal) e fica de lamber os dedos até aos cotovelos.

Mousse de amoras silvestres

A receita de hoje é uma receita básica da macrobiótica e não podia faltar neste blog. É a receita de uma mousse que pode ser feita com qualquer fruta, mas que fica especialmente bem com morangos ou outros frutos vermelhos.

Todos os anos apanho com os meus filhos alguns kilos de amoras silvestres. Conhecemos alguns locais onde há muitas Silvas e onde, por esse motivo, há sempre também muitas amoras. Congelo e guardo para esta mousse, para os muffins, para toppings, para “cheesecake” (tofucake), etc.

Antes de se obter a mousse, esta sobremesa é uma gelatina, e o meu marido prefere sem dúvida a gelatina. Por isso, cá em casa fazemos sempre as duas versões, a gelatina e a mousse, obtida a partir da gelatina triturada com a varinha mágica.

Mousse de Amoras Silvestres (ou morangos, ou mistura de frutos vermelhos)

Ingredientes:

Sumo de maçã 100%: 1l

Agar-agar em pó: 2 colheres de sopa

Amido de milho ou farinha de araruta: 2 colheres de sopa

Amoras silvestres (ou outros frutos vermelhos que podem ser congelados): 300 a 400 g

Geleia de arroz: 5 colheres de sopa (ou a gosto)

Baunilha em pó: 1 colher de café

1 pitada de sal

Raspa de 1 limão

Natas de côco e folhas de hortelã para servir (opcional)

Preparação:

– Se tiver amoras frescas comece por lavar as amoras e escorrer bem. Coloque-as logo numa taça onde possa servir a sobremesa, se desejar fazer apenas a gelatina.

– Coloque num tacho o sumo de maçã, o agar-agar, o amido ou a araruta, a baunilha e mexa.

– Leve ao lume durante uns minutos, mexendo sempre até ganhar uma película mais clara (“espuma”). Deixe ferver mais 5 minutos.

– Junte a geleia e deixe voltar a levantar fervura, mexendo sempre. Se gostar de mais doce, acrescente mais geleia.

– Desligue, junte a raspa de limão e mexa mais um pouco.

– Deite na taça onde tinha as amoras, deixe arrefecer e coloque no frigorífico durante 2h.

– Se preferir gelatina, corte-a em fatias e guarneça com uns pingos de natas de côco.

– Se preferir fazer a mousse, triture bem a gelatina com a varinha mágica e coloque em tacinhas guarnecidas com as natas de côco, algumas amoras  e folhinhas de hortelã.

Nota: Uma sobremesa saudável, fresca e que não podia ser mais simples

 

Queques de Cenoura e Laranja (vegan s/açúcar)

Aprendi esta receita no Instituto Macrobiótico de Portugal. Feita pelo Marco Fonseca, que tem uma mão incrível para doces e salgados. Eu adaptei-a e coloco o sumo da laranja fazendo com que a cenoura quase seja o “ingrediente secreto”, porque não sabem a cenoura.

Nesta altura do ano é preferível fazerem-nos ao vapor, recorrendo a um steamer, mas podem sempre cozê-los no forno. São fáceis, saborosos e fazem um lanche mesmo agradável.

Queques de Cenoura e Laranja

Ingredientes:

  • Farinha de espelta branca: 300 g
  • Cenoura moída: 150 g
  • Óleo de girassol ou de grainha de uva: 100 g
  • Sumo de maçã e laranja: 170 g
  • Geleia de arroz: 150 g
  • Raspa de uma laranja 
  • Bicarbonato de sódio: 1 c. de chá
  • pitada de sal

Preparação:

Num recipiente coloque a farinha e o bicarbonato e misture bem.

Triture a cenoura e reserve.

Raspe a casca de laranja e esprema o sumo da mesma. Deite-a num recipiente e acrescente sumo de maçã até conseguir ter 170 g. Junte este sumo à cenoura triturada assim como os restantes ingredientes e triture tudo com uma varinha mágica.

Junte a farinha com este preparado, envolvendo bem.

Coloque em forminhas de queques.

Leve a cozer cerca 20 minutos ao vapor ou em forno a 180ºC.

Delicie-se!