Barritas Energéticas

Estas barritas de aveia são uma constante cá em casa. Faço-as tantas vezes que já nem consulto a receita, e às vezes em vez de amêndoas ponho amendoim ou avelãs, em vez de flocos de aveia grossos coloco flocos de espelta, em vez de alperces coloco figos… É adaptável a gostos pessoais, desde que as proporções sejam as mesmas.

Os ingredientes são bastante energéticos, pelo que estas barritas são para ser consumidas com moderação. A menos que se esteja em fases de crescimento acelerado (crianças, adolescentes) ou se tenha um gasto calórico acentuado (atletas, pessoas com um trabalho físico intenso,…) é que se pode comer o tabuleiro todo:) No entanto, esta opção é muito mais saudável do que qualquer bolacha produzida pela indústria alimentar, e trazer uma caixinha hermética com duas ou três na minha mala já me permitiu aguentar várias horas de espera quando não tenho possibilidade de sair para comer.

Aqui vai a receita:

Ingredientes

  • Flocos de aveia (ou outro cereal) grossos: 100g
  • Flocos de aveia (ou outro cereal) finos: 60g
  • Amêndoas laminadas: 100g
  • Alperces desidratados: 100g
  • Geleia de arroz: 100g
  • Farinha de espelta ou trigo: 2 colheres de sopa
  • Óleo de grainha de uva ou côco ou girassol: 40g
  • Côco ralado: 25g
  • Limão: raspa de meio
  • 1 colher de chá canela (ou a gosto)
  • 1 pitada de sal
  • bebida vegetal ou água: 2 colheres de sopa

Preparação:

  • Pré-aqueça o forno a 180º.
  • Parta as amêndoas e os alperces em pedaços pequenos.
  • Junte as amêndoas e os alperces a todos os ingredientes secos, envolvendo bem com a farinha.
  • Acrescente o óleo, a geleia e mexa até a massa se tornar homogénea.
  • Se a mistura não estiver homogénea, acrescente as duas colheres de sopa de bebida vegetal ou de água.
  • Forre um tabuleiro com papel vegetal e espalhe a massa com a ajuda das mãos humedecidas em água, ou a parte de trás de uma colher de sopa, também humedecida.
  • Leve ao forno, baixe a temperatura para 170º, até dourar.
  • Retire do forno e parta em barras ainda mornas.
  • Os pedacinhos que se soltarem guarde num frasco e use como granola misturados num iogurte vegetal.
  • Deixe arrefecer e guarde numa caixa hermética, para permanecerem estaladiças

Creme de trigo sarraceno e a importância de ajustar a alimentação às estações

O meu pequeno almoço costuma alternar entre creme de arroz integral com mistura de cerca de 20% de outro grão integral (millet, cevada, centeio, trigo sarraceno, aveia, arroz glutinoso, …); creme de millet com abóbora ou simples; pão da Mil Grãos, feito com massa mãe e com uma levedação de pelo menos 24h, barrado com pasta de sésamo, amendoim ou amêndoa. Acompanho sempre com sopa de Miso.

Na Primavera e Verão às vezes faço um sumo verde que bebo numa quantidade moderada.

Nas últimas semanas misturei trigo sarraceno (ou trigo mourisco) com millet e confesso que ainda gosto mais desta combinação do que a de arroz com trigo sarraceno. Acho que o fiz intuitivamente, quando peguei no frasco de millet senti que não era suficiente para as temperaturas que têm estado (no local onde vivo, as mínimas chegaram a atingir os -3ºC).

E daqui surge a partilha desta necessidade de ajustar a alimentação ao clima.

O trigo sarraceno é um “cereal” sem glúten (coloco entre aspas, porque apesar do nome “trigo” ele não tem as características de um cereal), rico em proteína, muito utilizado nos países frios ou no inverno. Na Rússia é tostado antes de ser cozinhado (o que o torna ainda mais quente) e nessa forma tem o nome de “kasha”.

Deve ser utilizado por pessoas com uma vida ativa (desportistas) e também pode ser usado quando se pretende recuperar de um estado de debilidade devido a doença, neste último caso recomendo usar junto com arroz integral). O Francisco Varatojo dizia que ele aquecia as mãos, isto porque ajuda a levar o calor até às extremidades.

Mas… não há bela sem senão. O trigo sarraceno tem um sabor particularmente forte, que não é do agrado da maioria das pessoas que não foram habituados a ele. Por isso, esta mistura com millet surgiu perfeita.

É mesmo muito importante ajustar a alimentação às estações. Já falámos na questão de comer este alimento que “aquece”, mas comer alimentos da época:

  • ajuda o corpo a ajustar-se às condições climatéricas, diminuindo o stress necessário a esse ajuste.
  • Permite que variemos muito mais ao longo do ano.
  • Esta escolha torna possível comer alimentos que crescem no local onde vivemos (e isso é particularmente importante no caso de alimentos com maior teor de água, como frutas e vegetais).
  • Leva-nos a comer os “super-alimentos” do local onde vivemos para essa época do ano, sem necessidade de importar os super-alimentos adequados a outros locais do planeta.
  • Possibilitam comer de forma muito mais ecológica, com a pegada de carbono associada ao transporte reduzida ao mínimo.

Creme de trigo sarraceno

Ingredientes:

  • 1 chávena de café de trigo sarraceno (não tostado)
  • 2 chávenas de café de millet
  • 20 a 25 chávenas de café de água
  • casca de limão (raspa)
  • bebida vegetal a gosto
  • 1 c. de café rasa de sal marinho integral
  • topping que desejar (canela, frutos secos, redução de frutos vermelhos, compota de abóbora e canela, maçã/pera cozida, …)

Preparação:

  • Lave os cereais e leve a cozer com a água e pitada de sal. Se preferir pode pré-demolhar os cereais durante a noite; nesse caso escorra e leve a cozer com um pouco menos de água.
  • Quando estiverem cozidos (cerca de 25 minutos) desligue.
  • Retire para um tacho mais pequeno a porção que desejar para o pequeno almoço e guarde o restante numa caixa de vidro com tampa.
  • Acrescente no tacho um pouco de bebida vegetal e deixe que volte a ferver.
  • Junte a raspa de limão e triture com varinha mágica se gostar da textura de creme (é como eu prefiro).
  • Sirva com um topping a seu gosto (o da imagem é redução de frutos vermelhos com um micro morango da horta).
  • O resto dos cereais podem ficar no frio e serem preparados no momento, todas as manhãs.

Convido-o a sentir a diferença entre este pequeno almoço no inverno e outro composto por fruta ou sumos. Como é a reacção do seu corpo?

Com Amor,

Dulce

Doce de abóbora Hokkaido e pera

Este doce de abóbora e pera é mesmo a melhor opção para quem precisa de um doce adicional no creme de cereais da manhã ou quer comer uma sobremesa super-saudável. Não leva nenhum adoçante, nem geleia de arroz, e quem conhece sabe que chega a ser “demasiado doce”.

Aprendi a fazer este doce no Instituto Macrobiótico de Portugal e nunca mais deixei de o fazer. Ensino-o nos meus Workshops de Pequenos-Almoços e Snacks juntamente com mais alguns truques para acrescentar sabor aos alimentos nestas ocasiões.

(na imagem está um creme de millet com topping de doce de abóbora e pera, um pequeno almoço “dos Anjos”)

Eu uso este doce:

  • como topping numa sobremesa ou no creme de cereais
  • como sobremesa, sem mais nada a não ser com uma pitada de canela
  • como snack (transporto num copinho com tampa)

Para quem tem bebés é uma opção excelente, uma vez que só leva abóbora Hokkaido e pera.

Nem vos sei dizer o quanto adoro este final de Verão e início de Outono quando há abundância de peras e abóboras no meu quintal.

 

E aqui vai a receita, simples, simples, simples e surpreendentemente doce e saborosa.

Ingredientes:

  • abóbora hokaido descascada e cortada em pedaços médios: 1 taça
  • peras descascadas e cortadas em quartos: 1 taça
  • 1 pitada de sal (se for para um bebé retire este ingrediente, se não for mantenha porque realça o sabor doce)

Preparação

  • Arranje a abóbora Hokkaido e as peras conforme indicado: abóbora aos cubos e pera em quartos ou cubos. Estes ingredientes devem ser iguais em volume.
  • Coloque uma película de água num tacho e junte as peras e uma pitada de sal (opcional).
  • Leve a cozer em lume brando em tacho tapado durante 20 minutos, ou até ambos os ingredientes estarem tenros. Vigie também a quantidade de água, porque se o lume for forte pode evaporar e queimar. Se necessário acrescente um bocadinho de água, mas não muita.
  • Destape e verifique se ainda tem muito líquido. Se for o caso, destape e deixe ferver durante mais um pouco até o líquido evaporar.
  • Triture com a varinha mágica.
  • Sirva como sobremesa, topping de sobremesas ou bolos, papinha de bebé, snack, gulodice…

 

Creme de Millet com abóbora Hokkaido.

Talvez este seja um dos meus pequenos almoços preferidos… Não consigo decidir entre o creme de arroz e o creme de millet com abóbora. Agora fiquei mesmo a pensar nisto. Nada como começar a escrever receitas para nos lembrarmos de como é difícil escolher entre dois pequenos almoços tão booonnsss.

A receita:)

Ingredientes:

  • Millet: 1 chávena de café
  • Casca de limão: uma tira
  • Abóbora Hokkaido: 1 fatia pequena
  • Raspa de laranja: uma pitadinha (para não ficar com gosto/aroma muito intenso)
  • Sal marinho: 1 colher de café rasa
  • Alga Kombu (opcional): um quadradinho pequeno
  • Geleia de arroz:  1 colher de sopa (evitar usar mais, eu nem coloco nenhuma, mas para quem estiver em transição, a deixar de comer açúcar, é mesmo melhor colocar geleia)
  • Para topping: canela, frutos secos, passas de uva, côco ralado, cacau em pó… ( a gosto, ou conforme a sua condição assim o permita).

Preparação:

  • Lave o millet (pode deixar demolhado do dia anterior com a alga).
  • Escorra o millet e coza-o com a abóbora cortada em cubos, a alga e a casca de limão, durante 20 minutos em tacho tapado, com uma proporção de 1 chávena de millet para 6-7 chávenas de água (se o millet tiver sido demolhado use 6 de água, caso contrário use 7 de água).
  • Retire a casca de limão, junte a geleia, a raspa de laranja e triture com a varinha mágica até obter um creme delicioso. Se gostar de um creme mais líquido pode adicionar um pouco de bebida vegetal ou mais água.
  • Sirva numa taça com o topping que mais gostar.

Nota: bom para o estômago/baço/pâncreas. Ajuda a alcalinizar o sistema digestivo e a manter os níveis de glicose no sangue mais estáveis.

Redução de frutos vermelhos com geleia de arroz

Sexta-feira é dia de receita da Mil Grãos 
Eu sempre adorei compotas, sabem? Sabia que as compotas têm pelo menos 50% de açúcar (refinado), para além da frutose naturalmente presente na fruta. Mas gostava tanto e a minha mãe fazia-as tão bem 
Quando iniciei uma alimentação macrobiótica retirei o açúcar e as compotas foram-se. Não sinto falta nenhuma delas sobre o pão, mas como topping de uma sobremesa ou creme de arroz, sabem tão bem!
Depois aprendi a fazer compotas sem açúcar adicionando geleia de arroz, e o meu paladar habituou-se rapidamente a um nível de doce muito menor, o que faz com que quase não adicione geleia às reduções de fruta que faço.
Quando a fruta é muito rica em água (como é o caso dos frutos vermelhos) adiciono um pouco de Kuzu. Não faço muitas reduções de fruta para guardar, a não ser que tenha excesso de fruta (pela generosidade da Natureza).

Aqui vai a receita 

 Redução de Frutos Vermelhos com Geleia de Arroz 

Ingredientes
Frutos vermelhos /frescos ou congelados): 300g
Geleia de arroz: 4-5 colheres de sopa (mais ou menos segundo a gulodice)
Kuzu (ou amido de milho): 1/2 colher de sopa
Sal: uma pitada
Água: 1 colher de sopa

Preparação:
– Levar os frutos vermelhos com a geleia e a pitada de sal a cozer num tacho destapado durante 10 minutos.
– Dissolver o Kuzu numa colher de sopa de água e adicionar aos frutos vermelhos.
– Mexer até engrossar. Se necessário rectificar o doce, acrescentando um pouco mais de geleia de arroz.
– Usar como topping em sobremesas, sobre o pão ou no creme de arroz do pequeno almoço.
Nota: Deixar arrefecer, guardar no frigorífico e comer com moderação

Granola de Chocolate da Mil Grãos

Granola de Chocolate da Mil Grãos <3 é a receita desta sexta-feira, ou não fosse dia 1 de Junho, Dia da Criança. Esta granola transforma-se rapidamente num dos pequenos almoços preferidos da família, principalmente do mais pequenos.

É simples e não leva açúcar nem farinhas. Caso seja necessário façam a versão sem glúten, utilizando flocos de aveia isentos de glúten.

A receita:

Ingredientes:
500 g flocos de aveia finos
110 g amêndoas partidas grosseiramente
110 g geleia de de arroz
100 g chocolate 70% ou mais de cacau (preferencialmente sem açúcar refinado)
80 g óleo de grainha de uva ou girassol
2 colheres de sopa de cacau
1 colher de sobremesa de canela
Raspa de limão (opcional)
Cardamomo e gengibre em pó (opcional)
Preparação:
– Numa taça colocar todos os ingredientes secos, com excepção do chocolate, e misturar.
– Juntar a geleia, a raspa de laranja, o óleo e misturar até a granola ficar uniforme.
– Levar ao forno a 140oC durante 30 minutos, ou até a granola ficar dourada, mexendo de 10 em 10 minutos.
– Partir o chocolate em pedaços pequenos.
– Retirar do forno, juntar o chocolate e envolver. Se preferir sentir os pedaços de chocolate, deixar arrefecer antes de juntar.
– Deixar arrefecer e guardar em frascos.
– Usar como topping do creme de arroz ou junto com uma bebida ou iogurte vegetal.

E o vídeo: