Abóbora com feijão à moda do Alentejo (e o que é que isto tem a ver com macrobiótica?)

Não imaginam o quanto pensei antes de decidir publicar esta receita. Pela simplicidade da mesma, pela sua falta de ar de comida moderna que se vê agora nos blogs, pelo seu aspeto de “comida pobre” (é só o aspeto, garanto-vos!) e porque este é um dos pratos mais macrobióticos que como, mas que não aprendi no IMP.

No entanto, é uma das minhas comidas preferidas no Inverno e é habitualmente feita pela minha sogra que é alentejana e a sabe fazer mesmo bem (muito melhor do que eu!).

Muitas das pessoas que vêm aos meus Workshops de Macrobiótica dizem-me que antes só comiam abóbora na sopa. Nos Workshops comemos crua, assada, frita, estufada, cozida (nishime) e nas sobremesas. Este prato é tipicamente alentejano e também utiliza a abóbora inteira em cubos grandes.

Decidi então partilhar esta receita (e convidar a que a experimentem em casa) porque sinto que faz parte das receitas macrobióticas nacionais (esta é alentejana, mas há muitas pelo país fora). São os pratos tipicamente adaptados ao nosso clima, à nossa constituição (quase sem ou mesmo sem ingredientes de origem animal), feitos com produtos da época e cultivados em solo nacional, que juntam vários sabores (doce, ácido, picante, amargo, salgado) e que nos permitem comer de forma equilibrada. Para quem me acompanha, o meu próximo Workshop de macrobiótica terá este tema.

Esta abóbora com feijão é servida em cima de fatias de pão alentejano. Este pão era feito com o cereal transformado em farinha e depois passado por um processo de fermentação natural, o que o torna um alimento muito, muito interessante para o nosso sistema digestivo. Por isso, se quiserem comer a abóbora de forma tradicional com pão, por favor façam-no com um bom pão. Caso contrário, não recomendo a que a comam com pão. O molho deste prato é muito saboroso e acompanha bem com arroz integral de grão redondo, millet, bulgur ou outro cereal

Abóbora com feijão à moda do Alentejo

Ingredientes (4pessoas):

  • Abóbora menina ou manteiga: 5 taças (taças de 250ml, serve como referência)
  • Feijão catarino ou feijão manteiga cozido: 2 taça
  • Caldo de cozer o feijão: q.b.
  • Alho: 4 dentes
  • Coentros: um molho generoso (a gosto)
  • Louro: 2 folhas
  • Azeite: 4 colheres de sopa (a gosto)
  • Vinagre de cidra: 1 colher de sopa
  • Sal q.b.
  • Pão alentejano para servir (opcional)

Preparação:

  • Se não tiver o feijão cozido, demolhe cerca de 12h e coza, coberto de água, na panela de pressão com uma tira de alga Kombu (se não tiver a alga, coza mesmo sem ela).
  • Corte a abóbora em cubos grandes (3cmx3cm).
  • Coloque o azeite num tacho largo, o louro, 4 ramos de coentros (reserve os restantes para o fim) e os dentes de alho abertos e ligeiramente esmagado (retire a parte interior aos mesmos, caso não faça bem a digestão deste ingrediente).
  • Leve ao lume e acrescente logo um pouco de caldo de cozer o feijão e uma pitada de sal. Tape o tacho e deixe cozinhar 5 minutos.
  • Junte a abóbora envolva com os restantes ingredientes, e um pouco de caldo do feijão. Tape e deixe cozinhar. Se necessário vá adicionando mais caldo, mas depende sempre muito do teor de água da abóbora.
  • Quando a abóbora estiver quase tenra (não pode estar cozida na totalidade), junte o feijão, os coentros picados e o vinagre.
  • Deixe apurar um pouco o molho, rectifique o sal.
  • Para saber a quantidade de molho, lembre-se que deverá ser o suficiente para ensopar o pão.
  • Retire do lume e sirva num prato fundo, onde previamente colocou duas fatias de pão de levedação natural.

Com Amor,
Dulce

Feijão azuki com abóbora (e como fazer uma marmita equilibrada e deliciosa)

Hoje falo de um feijão que foi introduzido no Ocidente pela Macrobiótica: o Feijão Azuki.

Quem já viu o filme Uma Pastelaria em Tóquio”, lembra-se que o recheio dos Dorayaki(a)  eram feitos com uma pasta de feijão azuki doce.

No filme, Tokue(b) fala destes feijões de uma forma tão bonita e trata-os com deferência e cuidado, enquanto ensina Sentaro(c) a fazer um recheio para os Dorayaki de sabor inigualável,  (chorei “baba e ranho” nessa cena do filme e em muitas outras…).

Este feijão cresce muito bem no nosso clima (que tem parecenças com o clima Japonês) e tem propriedades terapêuticas para os rins, a ponto de se fazer chá de feijão azuki para os reforçar e tratar. Mais do que falar de que é rico em fibra e em proteína, gostava que o vissem e sentissem como é forte, contraído, pequenino (e lindo).

Mas vamos falar também de marmitas. Eu trago todos os dias a minha marmita para o trabalho. Desta forma:

  •  sei o que como,
  • consigo variar imenso e
  • poupo dinheiro em refeições de qualidade duvidosa.

Para a fazer uma marmita coloco habitualmente um cereal, vegetais cozinhados de diversas formas e uma leguminosa ou derivados desta. Gosto de colocar as coisas separadamente e gosto de trazer numa caixa à parte vegetais crus e/ou chucrute. Insisto em trazer sempre algum vegetal doce na marmita (abóbora, cenoura, cebola caramelizada, batata doce), para não me apetecer nem café nem sobremesa no final.

Numa das marmitas desta semana levei a receita que partilho hoje. Não estranhem por ela não ter pimenta, cominhos, caril, … É uma receita que aprendi no IMP(d) para ser feita para pessoas com problemas degenerativos e que devem comer comida mais limpa, e que eu simplesmente adotei como receita a repetir muitas vezes, principalmente quando o tempo arrefece e as abóboras são doces.

Na marmita, para além do feijão azuki com abóbora, levava também arroz integral com gomásio (com pouco sal), couve portuguesa escaldada, agrião salteado. Na minha marmita coloco sempre mais verdes, na do meu marido mais cereal e estufado de feijão.

E aqui fica a receita:

Feijão Azuki com abóbora

Ingredientes

  • Feijão Azuki: 1 chávena de chá
  • Abóbora Hokkaido (ou manteiga/cabacinha) cortada em cubos pequenos: 3 chávenas
  • 1 tira de alga Kombu (3 a 6 cm)
  • Sal qb
  • Azeite (opcional): 1 colher de sopa
  • Cebolinho para servir (opcional)

Preparação:

  • Lave e demolhe o feijão durante 12h.
  • Ao fim desse tempo, escorra o feijão e demolhe a alga Kombu durante 10 minutos.
  • Coloque a alga Kombu no fundo de uma panela, depois a abóbora e por cima o feijão, cubra generosamente com  água e leve ao lume forte.
  • Quando começar a ferver reduza a chama e deixe cozinhar com a panela tapada. Vá verificando a água e, caso seja necessário, acrescente mais um pouco de água. Repita as vezes que forem necessárias.
  • Quando o feijão estiver macio, adicione sal, tempere com um pouco de azeite (se puder comer gorduras) e deixe cozer mais 10-15 minutos.
  • Sirva com cebolinho ou outra erva fresca.

(a) duas panquecas recheadas com doce de feijão azuki

(b) a senhora de idade já avançada e com problemas de saúde

(c) o pasteleiro

(d) Instituto Macrobiótico de Portugal

Puré de de batata doce e castanhas para celebrar o início do Outono

Gosto muito do Outono, mesmo muito.

Gosto das cores, das temperaturas mais baixas, das primeiras chuvas, de observar as folhas que caem das árvores e dos tapetes que elas formam, do recolher mais cedo, do vento, do cheiro da terra e da abundância de alimentos desta época.

Nesta altura temos vegetais mais densos, nutritivos e que podem ser guardados (abóboras, batata-doce); frutas doces e menos ricas em água (dióspiros, castanhas, peras rijas), oleaginosas ricas em gordura (nozes, pinhões), frutas que desidratámos no Verão (figos, alperces), as leguminosas (feijões, grão-de-bico, lentilhas) e cereais (arroz, cevada, trigo, milho) já secos e prontos para serem guardados de forma a serem consumidos ao longo do ano.

A Natureza parece que nos está a pedir para recolher e apetecem-nos refeições reconfortantes e nutritivas.

A que apresento hoje faz as minas delicias. É doce, sabe as castanhas sem ser tão densa quanto elas e rima com o Outono de forma perfeita. Este puré celebra o Outono em cada célula do meu corpo.

Para além de tudo é simples, como quase todas as receitas que eu publico, e pode dar um toque requintado num almoço de domingo.

Ingredientes

  • Batatas doces descascadas: 500g
  • Castanhas descascadas: 160 g (ou 200g tiverem casca)
  • Azeite: 2 colheres de sopa
  • Miso branco: 1 colher de sopa
  • Sal: q.b

Preparação

  • Coza as batatas doces e as castanhas juntas em lume brando, num tacho com 1 cm de água no fundo. Vá verificando se a água evapora e, se for necessário, acrescente mais um pouco.
  • Quando estiverem tenras (cerca de 20 minutos) desligue. Coloque-as no copo da varinha mágica ou num processador de alimentos, junto o azeite o miso branco e triture até obter um puré. Rectifique a textura com um pouco de água quente e o sal.
  • Sirva com cebolinho picado.

Nota: neste prato o puré acompanha tofu salteado com couve-flor, micro-vegetais (girassol) e chucrute.

Creme Doce de Lentilhas Laranja

Todos temos sopas preferidas. Eu adoro Sopa de Miso, Canjinha de Millet e este Creme Doce de Lentilhas Laranja.

Sei que aprendi a fazer esta sopa no Instituto Macrobiótico de Portugal (1), já a comi várias vezes lá, e que esta receita está em alguns livros de cozinha macrobiótica (com um ou outro pormenor diferente, mas sempre com a mesma base).

Parece demasiado simples, mas acreditem que a simplicidade não é inimiga nem de sabor, nem de capacidade de nos sentirmos reconfortados e nutridos. Pelo contrário! O excesso de ingredientes torna muitas vezes difícil o processo digestivo e dificulta também a absorção de nutrientes pelo nosso corpo.

Esta receita leva lentilhas descascadas  (há quem lhes chame vermelhas ou coral). Normalmente são cor de laranja como as da imagem, mas também há amarelas. Nesta receita as laranja e as amarelas têm o mesmo efeito.

A sopa leva também legumes doces, que são benéficos para o nosso equilibrio emocional, dando a doçura extra que o estômago/baço/pâncreas necessitam.

Acreditem que tudo o que comemos conta (como diz a Geninha Varatojo) e se acreditarem conta ainda mais.

Creme Doce de Lentilhas Laranja

Ingredientes:

  • Cenoura: 2 (médias)
  • Abóbora Hokkaido (ou Cabacinha/Butternut): 2 fatias
  • Cebola: 2 (médias)
  • Lentilhas laranja (lentilhas sem casca): 1 chávena de chá
  • Azeite: 1 colher de sopa
  • Sal: a gosto
  • Cebolinho, coentros ou outra erva aromática a gosto

Preparação:

  • Lave, descasque e corte os legumes em pedaços pequenos e regulares. O volume destes ingredientes deve ser mais ou menos idêntico.
  • Coloque os legumes na panela, junte as lentilhas laranja, cubra com água.
  • Leve ao lume e depois de levantar fervura, baixe para o mínimo e deixe cozer 20-25 minutos.
  • Tempere com sal e um fio de azeite, e reduza a puré. Rectifique a água e o sal.
  • Sirva salpicado com cebolinho ou coentros (ou pode acrescentar nabiça, agrião, alho francês… envolver e servir).

Nota: esta receita adapta-se perfeitamente aos robots de cozinha (Bimby ou outro).

(1) https://www.institutomacrobiotico.com/

Tofu no forno (e como usar tofu para tratar queimaduras)

O tofu é um dos alimentos mais versáteis e rápidos de preparar que eu conheço. Tenho sempre em casa, porque para além de ser uma opção para uma refeição rápida, também serve para ajudar a tratar queimaduras (ver Nota).

Tradicionalmente na macrobiótica diz-se que o tofu arrefece. Eu sinto isso principalmente se o como no Inverno. Podem fazer a experiência por vocês próprios e comerem um prato de tofu no Inverno e terem curiosidade sobre a resposta do vosso corpo.

Um dos mitos que eu sempre ouvi é que, para ganhar sabor, o tofu tem que ser marinado. Não é verdade. Comprei uns livros de cozinha vegan japonesa tradicional e no outro dia fiz um prato em que o tofu era salteado na wok, sem nenhum tempero. O molho era feito no final e o tofu adicionado a esse molho para voltar a ser passado na wok. Ficou delicioso. Portanto, não é necessário temperar o tofu de véspera, mas tem que se saber cozinhar para que ele ganhe sabor e fique irresistível.

Gosto de usar uma fatia de tofu prarado como a seguir indico dentro do pão, a substituir o queijo que deixei de comer.

Tenho um forno solar, e quando estou em casa no Verão faço lá um pouco de tudo: cozo arroz ou leguminosas, asso tofu, tempeh ou vegetais, tosto oleaginosas, faço granola, cozo bolos, … Faço as refeições na rua, não aqueço a casa e aproveito o calor do sol.

As fotografias do tofu no forno, foi de um que fiz no forno solar, estamos em Agosto e os dias ainda estão muto solarengos. Mas claro que pode ser feita num forno normal e no Inverno é num forno elétrico que o faço. A receita é muito simples e não dá mesmo trabalho nenhum.

Ingredientes

  • Tofu: 1 bloco de 500g
  • Shoyu (molho de soja): 4 colheres de sopa
  • Limão: sumo de meio (cerca de 2 colheres de sopa)
  • Azeite: 4 colheres de sopa
  • Pimento vermelho: ¼ (opcional)
  • Folha de louro: 1
  • Óregãos e/ou tomilho: 1 colher de sopa (ou a gosto)
  • Alho: 1 dente
  • Gengibre: 1 pedaço de 1 cm
  • Água: uma chávena de chá

Preparação

  • Corte o tofu em tiras com uma espessura média entre 0,5 cm e 1 cm e disponha num tabuleiro de ir ao forno, numa única camada.
  • À parte pique muito bem o alho e o pimento vermelho.
  • Rale o gengibre e esprema-o para uma taça.
  • Parta o louro em pedaços.
  • Junte todos os ingredientes que preparou anteiromente (com excepção do tofu) na tça onde colocou o sumo de gengibre e envolva.
  • Tempere o tofu com esta marinada e aguarde entre 30’ a 1h (pode ser mais.
  • Leve ao forno a 180oC até a água ter toda evaporado, mas sem deixar o tofu secar.

Nota: Emplastro para queimaduras
Esprema o Tofu se este tiver muita água e esmague-o com um garfo.
Junte farinha suficiente para ligar (10-15%).
Coloque este emplastro com uma espessura de cerca de 1 cm numa gaze ou pano de algodão e aplique directamente sobre a pele durante um máximo de 2 horas. Pode substituir por outro emplastro ao fim desse tempo.

Estufadinho de Feijão Frade

Este estufado de vegetais com feijão frade fica mesmo, mesmo bom.

É simples e os vegetais utilizados podem ser substituidos por outros, adequando assim o prato à época do ano. Se neste momento não tiver abóbora ou nabo, substitua por courgette, por exemplo.

O feijão frade foi cozido com alga Kombu e a alga foi partida e adicionada ao estufado, como poderão ver no video.

Aqui fica a receita:

Ingredientes:

  • 1 taça de feijão frade cozido
  • 1 cebola média
  • 1 fatia de abóbora
  • 2 cenouras
  • 1 nabo pequeno
  • 1 flor de brócolo
  • 1 dente de alho
  • sal marinho integral
  • azeite
  • folha de louro (opcional)
  • 1 talo de aipo (opcional)
  • vinagre de ameixa umeboshi para finalizar (opcional)
  • salsa picada para servir (opcional)

Preparação:

Descasque e prepare todos os vegetais partindo-os em cubos pequenos, com excepção do aipo, do alho e da salsa que devem ser picadinhos.

Leve a cebola, o aipo (opcional) e o alho a saltear num fio de azeite, tendo o cuidado de não deixar que o azeite queime (se necessário acrescente uns pingos de água).

Adicione todos os vegetais com excepção dos brócolos que devem ser adicionados quando os outros vegetais já estão tenros (cerca de 10 minutos depois do primeiros). Junte um pouco de sal e deixe estufar. Se necessário acrescente um pouco da água de cozer o feijão.

Quando os vegetais estiverem tenros, a seu gosto, junte o feijão frade, envolva, deixe que volte a ferver.

Rectifique o sal com vinagre de ameixa umeboshi ou com mais um pouco de sal marinho integral.

Se gostar junte salsa ou outra erva aromática a gosto.

Tão bom!….

 

 

Creme de Ervilhas

Estamos na Primavera e a minha horta está cheia de vida. Foram as favas e agora estão as ervilhas a pedir-me que faça muitos pratos deliciosos com elas.

Comer de acordo com a estação é o melhor que podemos fazer pela nossa saúde. A nossa alimentação deve ser local, sazonal, biológica. Bastam estes cuidados para sentirmos uma enorme diferença na nossa vida.

A receita é simples, como todas as receitas de sexta-feira, mas tem um sabor incrível. Vejam se conseguem ervilhas frescas, mas se não conseguirem podem usar congeladas, claro.

Hoje temos uma video-receita 🙂 Sigam o canal Youtube da Mil Grãos.

Ingredientes:

  • ervilhas: 1 taça
  • nabo: 1
  • cebolas: 3
  • courgette: 1
  • alho: 1 dente
  • sal q.b.
  • azeite: 2 colheres de sopa

Amor: muito

Preparação:

Lave e corte todos os vegetais em pedaços médios. Leve a cozer numa panela, cobertos de água, cerca de 25 minutos. Verifique se os vegetais estão tenros e desligue. Junte o sal e o alho picado e triture com a varinha mágica. Prove e rectifique o sal. Sirva com folhas de hortelã ou uns pingos de natas vegetais.

Tempeh grelhado – receita de sexta-feira

Bom dia 
Quem me conhece ou já veio a algum Workshop, sabe a paixão que eu tenho por tempeh. Particularmente pelo Sal’s Tempeh.
Na receita de hoje é ele o rei. Experimentei grelha-lo e ficou perfeito 
Fiz um video para que sintam confiança na reprodução da receita.

Tempeh (Sal’s Tempeh) grelhado
Ingredientes:
– uma embalagem de tempeh de soja
– 2 dentes de alho
– 3 cm de raiz de gengibre
– 2 colheres de sopa de shoyu ou tamari
– sumo de 1/2 limão

Preparação:
– Corte o tempeh em fatias com cerca de 0,5 cm, e coloque-as numa travessa.
– Descasque e pique os alhos.
– Descasque a raiz de gengibre e rale.
– Tempere o tempeh com o alho picadinho, o sumo de gengibre (aperte o gengibre ralado em cima do tempeh) e com o shoyu.
– Aqueça um grelhador, pincele com azeite e grelhe o tempeh.

Nota: no video servi o tempeh com cebola caramelizada e chucrute num pão de fermentação lenta, de muito boa qualidade (ou não fosse o pão da Mil Grãos). São 3 ingredientes fermentados juntos: tempeh, chucrute e pão feito com massa mãe 

Lentilhas laranja estufadas com vegetais – receita de sexta-feira


Sabem aqueles dias em que chegamos a casa ao final do dia e já não temos nenhuma leguminosa de molho, nem cozida e queremos preparar uma refeição? O tempo não é muito e só cereal com vegetais parece pouco? :/
As lentilhas descascadas (laranja, coral ou amarelas) são uma solução para essas situações 🙂 Cozem ao mesmo tempo que os vegetais, e são uma opção rápida e saborosa.
Aqui vai a receita (sinceramente não sei onde foi a primeira vez que a vi, mas quase de certeza que foi no curso de Macrobiótica, e deve ser da autoria da Geninha <3).
Nesta altura do ano podem substituir a abóbora pela courgette, porque já sabem bem os vegetais com mais água, e começa a haver sem ser de estufa (as da minha horta, dentro de 2-3 semanas estão prontas 😉 )

<3 Lentilhas laranja estufadas com vegetais <3

Ingredientes:
1 chávena de lentilhas sem casca
1 fatia de abóbora hokaido ou abóbora butternut
2 cenouras
2 cebolas
3 colheres de sopa de azeite
3 chávenas de água
1 colher de sopa de pasta de ameixa umeboshi (opcional)
Cominhos (opcional)
Cebolinho, coentros ou salsa (para servir)
Sal q.b.

Preparação:
– Corte as cebolas, a abóbora e as cenouras em cubinhos pequenos.
– Num tacho coloque o azeite, os legumes, os cominhos (opção) e salteie tudo durante 2-3 minutos, mexendo ocasionalmente.
– Junte a água. Quando ferver, coloque as lentilhas (lavadas), tape e baixe o lume.
– Deixe cozinhar 20-30 minutos em lume brando, verificando se a água é suficiente e acrescentando mais se necessário (se quiser que as lentilhas se desfaçam verifique o ponto em que quer desligar o lume, porque deve ser mais um pouco do que o indicado).
– Junte a pasta de ameixa (opção) e retifique o sal.
– Deixe ferver mais 2 minutos.
– Junte o cebolinho picado e sirva quente.

Notas: há quem goste de deixar que as lentilhas se transformem em puré, só vos digo que é um puré maravilhoso!!! E já estou a salivar…
Na imagem está um prato de lentilhas com couscous, grelos, pickles de rabanete e uns cogumelos salteados.