Uma refeição macrobiótica é mais cara? 4 segredos para gastar menos e comer bem

Ao fazermos a transição para outro tipo de regime alimentar temos muitas vezes medo de gastar mais dinheiro com a alimentação.

Ouço algumas vezes pessoas dizerem que mesmo que gastem mais na comida depois poupam na farmácia. A segunda parte desta expressão, de que comer bem evite gastos em medicamentos, até pode ser verdade, mas a primeira parte não o é se soubermos escolher os alimentos.

Muitas receitas ditas de “saudáveis”, a maioria das quais associada à alimentação vegetairna/vegan, apelam à utilização de alimentos novos, muitos deles produzidos fora do nosso país, com custos elevados, não só para a nossa carteira, mas também ambientais. As frutas exóticas e tropicais, como a manga, a jaca, o côco, entre outras, são acessíveis nos países de origem, mas caras fora deles, com custos de transporte e comercialização muito elevados. Mesmo que o abacaxi, a manga, o abacate, a papaia, … estejam em promoção, já compararam os seu custo com as frutas da época?

Passa-se o mesmo com outros alimentos para a além da fruta: vegetais, oleginosas, cereais, leguminosas, etc. que não são próprias do nosso clima ou não são “da época” ficam sempre mais caros. O facto de os encontrarmos disponíveis não significa que estejam na época, e muitos de nós até já nos esquecemos de quando é a altura natural de termos certos alimentos. Por exemplo, eu vivi até aos 30 anos a ter acesso a courgette e feijão verde apenas no Verão. É muito difícil explicar a pessoas mais novas que no inverno a produção destes alimentos faz-se com recurso a importação e estufas e até a mão de obra quase escrava (são mais caros, claro, e a muitos níveis).

Como podemos fazer uma refeição dentro dos princípios da macrobiótica, que nos indica que devemos comer produtos de origem biológica, aos quais associamos imediatamente um custo maior?

  1. Comprar em maior quantidade e/ou avulso: Mesmo que não consiga encontrar alimentos vendidos avulso com facilidade, a maioria dos supermercados biológicos aceita encomendas de pacotes de 5kg (ou mais) de cereais, leguminosas, oleaginosas, etc., e de outros alimentos de uso quase diário para quem segue um regime macrobiótico. O preço por kilo é inferior e evita pacotes pequenos de plástico. Caso tenha uma família grande é fácil gastar os 5kg, mas se não tiver, sugiro que se junte com mais 4 ou 5 amigos e dividam um pacote.
  2. Comprar alimentos de origem local: Todos os alimentos de uso regular devem ser de origem local ou o mais próximo possível do sítio em que vive. Faz sentido adquirir cereais e leguminosas oriundos da Europa e evitar os que vêm de outros Continentes. E faz ainda mais sentido que todos os alimentos com um elevado teor de água, vegetais e frutas, sejam mesmo de um perímetro que não ultrapasse um raio de 50 km do local de onde vive. Este tipo de alimentos conseguem encontrar-se nos produtores locais. Pode encontrá-los com facilidade nos Mercados/Praças nos vendedores que têm bancas mais pequenas e vendem aquilo que produzem. Pode ir sempre comprar a Mercadinhos Biológicos que começaram a surgir em muitas cidades. Estes alimentos, vindos de cadeias curtas de abastecimento têm muitas vantagens:ara além de representarem um custo inferior para nós, contribuem para a economia da família/pessoa que produz os alimentos, evitam custos de embalagem e de transporte, são os melhores para a sua saúde, ajudam a promover a agricultura biológica nos pequenos produtores.
  3. Comprar alimentos da época: ao comprar alimentos da época está de certeza a comprar na altura em que há mais abundância dos mesmos. Maior abundância significa que o preço desce, porque o produtor tem que escoar o produto porque ele próprio o tem em quantidade. Na altura em que há mais raízes, coma mais raízes, quando houverem mais couves, coma mais couves, quando houver mais castanhas coma castanhas, quando houver favas, coma favas… O seu corpo vai estar em maior equilíbrio e de certeza que gastará menos dinheiro com a alimentação.
  4. Evitar a compra de alimentos pré-preparados: neste momento creio que não existe nenhum alimento que não possa comprar pré-preparado. Vejo à venda hummus, gomásio, sal aromatizado, granola, barras energéticas, sandwiches, sopa… É claro que para uma situação de pressa estes alimentos pré-preparados podem ser a solução, mas se os usarmos todos os dias ao final do mês vão pesar-nos na carteira e na saúde. Para se conservarem e serem preparados industrialmente estes alimentos têm que levar conservantes, ser embalados em plástico e percorrerem km até chegarem a nossa casa. Tudo isto tem um custo, tudo isto os torna menos saudáveis.

Uma refeição macrobiótica deve ser composta por: cereais, vegetais variados, leguminosas ou derivados destas, pickles, condimentos e algas. Estes dois últimos ingredientes não são essenciais. Nenhum destes alimentos, mesmo que seja de origem biológica, se for da época, comprado a um produtor local, adquirido em grande quantidade e cozinhado de raiz, vai tornar a sua refeição mais cara. A minha experiência é de que este tipo de alimentação reduz o custo da refeição e melhora a saúde. Experimente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *