Feijão azuki com abóbora (e como fazer uma marmita equilibrada e deliciosa)

Hoje falo de um feijão que foi introduzido no Ocidente pela Macrobiótica: o Feijão Azuki.

Quem já viu o filme Uma Pastelaria em Tóquio”, lembra-se que o recheio dos Dorayaki(a)  eram feitos com uma pasta de feijão azuki doce.

No filme, Tokue(b) fala destes feijões de uma forma tão bonita e trata-os com deferência e cuidado, enquanto ensina Sentaro(c) a fazer um recheio para os Dorayaki de sabor inigualável,  (chorei “baba e ranho” nessa cena do filme e em muitas outras…).

Este feijão cresce muito bem no nosso clima (que tem parecenças com o clima Japonês) e tem propriedades terapêuticas para os rins, a ponto de se fazer chá de feijão azuki para os reforçar e tratar. Mais do que falar de que é rico em fibra e em proteína, gostava que o vissem e sentissem como é forte, contraído, pequenino (e lindo).

Mas vamos falar também de marmitas. Eu trago todos os dias a minha marmita para o trabalho. Desta forma:

  •  sei o que como,
  • consigo variar imenso e
  • poupo dinheiro em refeições de qualidade duvidosa.

Para a fazer uma marmita coloco habitualmente um cereal, vegetais cozinhados de diversas formas e uma leguminosa ou derivados desta. Gosto de colocar as coisas separadamente e gosto de trazer numa caixa à parte vegetais crus e/ou chucrute. Insisto em trazer sempre algum vegetal doce na marmita (abóbora, cenoura, cebola caramelizada, batata doce), para não me apetecer nem café nem sobremesa no final.

Numa das marmitas desta semana levei a receita que partilho hoje. Não estranhem por ela não ter pimenta, cominhos, caril, … É uma receita que aprendi no IMP(d) para ser feita para pessoas com problemas degenerativos e que devem comer comida mais limpa, e que eu simplesmente adotei como receita a repetir muitas vezes, principalmente quando o tempo arrefece e as abóboras são doces.

Na marmita, para além do feijão azuki com abóbora, levava também arroz integral com gomásio (com pouco sal), couve portuguesa escaldada, agrião salteado. Na minha marmita coloco sempre mais verdes, na do meu marido mais cereal e estufado de feijão.

E aqui fica a receita:

Feijão Azuki com abóbora

Ingredientes

  • Feijão Azuki: 1 chávena de chá
  • Abóbora Hokkaido (ou manteiga/cabacinha) cortada em cubos pequenos: 3 chávenas
  • 1 tira de alga Kombu (3 a 6 cm)
  • Sal qb
  • Azeite (opcional): 1 colher de sopa
  • Cebolinho para servir (opcional)

Preparação:

  • Lave e demolhe o feijão durante 12h.
  • Ao fim desse tempo, escorra o feijão e demolhe a alga Kombu durante 10 minutos.
  • Coloque a alga Kombu no fundo de uma panela, depois a abóbora e por cima o feijão, cubra generosamente com  água e leve ao lume forte.
  • Quando começar a ferver reduza a chama e deixe cozinhar com a panela tapada. Vá verificando a água e, caso seja necessário, acrescente mais um pouco de água. Repita as vezes que forem necessárias.
  • Quando o feijão estiver macio, adicione sal, tempere com um pouco de azeite (se puder comer gorduras) e deixe cozer mais 10-15 minutos.
  • Sirva com cebolinho ou outra erva fresca.

(a) duas panquecas recheadas com doce de feijão azuki

(b) a senhora de idade já avançada e com problemas de saúde

(c) o pasteleiro

(d) Instituto Macrobiótico de Portugal

4 thoughts on “Feijão azuki com abóbora (e como fazer uma marmita equilibrada e deliciosa)

  1. Parece me uma boa receita,e pena usar recipiente em plástico,o plástico faz mal a saúde e a natureza, são disruptiresvpara a diabetes, existem recipientes em vidro,bem mais naturais e não nocivos,vou fazer a receita, obrigada pela partilha

    1. Tem toda a razão, já estava à espera que me referissem isso. Este plástico é apropriado para o efeito, e embora cada vez tenha menos plástico em casa, estou a acabar de usar o que tenho, porque também me parecia um desperdício estar a deitar fora. Para viajar com uma mochila cheia de coisas em transportes públicos o melhor são caixas mais leves como estas, e é essa mais uma das razões pelas quais prefiro levar estas marmitas. Obrigada pelo seu cuidado e comentário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *